LONGEVIDADE DAS  ÁRVORES  

A respeito da longevidade das árvores,  existem espécies  nativas que não duram muito, e em geral morrem naturalmente após alguns anos, como Embaúbas, Guapuruvus, e outras plantas pioneiras, ou seja, as primeiras a ocupar um terreno limpo.

Outras praticamente não morrem de velhice, sobrevivendo centenas ou milhares de anos, desde que tenham o ambiente propício, como Jequitibás e Sapucaias. Normalmente este tipo de arvore morre por efeito de raios, queimadas, vandalismo ou tempestades. Ver no final links de opiniões a respeito.

Existe um consenso de que árvores em florestas tropicais tem um desenvolvimento mais rápido, porém longevidade menor do que as das florestas temperadas do hemisfério norte, notadamente as sequoias (ver no final).

A grande maioria, que é intermediária destes dois extremos, e que está no ambiente natural de matas, na maioria das vezes morre por algum tipo de agressão, que podemos citar, entre outras:

-          Originarios da ação do homem:

Queimadas, derrubada da mata, eliminação de vetores animais de reprodução, eliminação de espécies vegetais vizinhas que apoiam o crescimento, fornecendo sombra ou mantendo a umidade, ou aumento de predadores como formigas, que aumentam devido ao desequilíbrio ambiental, ou erosão como consequência do próprio desmatamento.

-          Originários da própria natureza:

Plantas concorrentes pelo espaço, luz ou umidade, que sufocam as mais fracas. Ação de raios que atingem as mais altas, ou incêndios provocados pelos mesmos. Erosão ou  inundação naturais. Ação de insetos ou pragas que atuam como vetor de seleção natural, eliminando as mais fracas.

Não existe, pelo que eu sei, um estudo sobre a longevidade das árvores em estado natural, mesmo porque seria muito difícil coletar dados, já que as espécies que estão no espaço natural delas, na mata, portanto isentas da agressão vinda do homem, estão em condições difíceis de monitorar e até de idade um pouco imprecisa. O que existem são estudos específicos sobre algumas espécies, notadamente no hemisfério norte, como citado no final. Além disto, acredito que mesmo em estado natural a maioria das que morrem seja por agressão do ambiente, e não por característica da espécie.

Outro fato constatado é que uma espécie nativa plantada em espaço urbano dura muito menos do que no seu ambiente natural, pois é agredida pela poluição, pelas construções, por condições climáticas e de irrigação não naturais, etc.

Observa-se inclusive a este respeito, que as árvores em ambiente urbano normalmente florescem mais vezes por ano e mais intensamente do que aquelas que estão nas matas, justamente sinalizando perigo ou agressão. Todo vegetal, quando percebe risco para sua existência, direciona mais energia para a reprodução (Flores, frutos) do que para o crescimento.

Textos anexos e Links a respeito do assunto:

* Reportagem antiga do jornal Estado de São Paulo muito informativa a respeito do assunto. (Download)

* Artigo em site evangélico. Se por um lado mistura ciência e fé, por outro contem boas informações científicas (Download)

* Trees for millenium – Site americano sobre arvores milenares. Um pouco voltado para o aspecto poético, porem com boas fotos e informações:  http://www.geocities.com/RainForest/7536/

* Site americano sobre a Dendrocronologia, determinação da idade das árvores:  http://www.sonic.net/bristlecone/dendro.html

 

Pinus longaeva e Pinus aristata – O ser vivo mais antigo do planeta

São espécies de coníferas consideradas os mais antigos seres vivos do planeta. A idade estimada para os indivíduos mais velhos é de 5000 anos.

A ciência os estuda hoje na especialidade denominada Hormese, principio que considera que ambientes agressivos na dosagem certa podem ser benéficos para a vida. (Download)

Na região onde existem os Pinus longeva (Montanhas rochosas da Califórnia e Utah) as condições de vida vegetal são extremamente adversas: Solo árido, clima seco e temperaturas variando entre extremamente frio e extremamente quente.

Veja a seguir alguns links com foto e texto sobre estas espécies:

http://www.mountevans.com/ME-Plants-BristleconePines.HTML

http://www.biol.lu.se/zoofysiol/Svar/Alder.html

http://www.nearctica.com/trees/conifer/pinus/Plongae.htm

http://www.unibas.ch/bothebel/teaching/pflanzenphysiologie/pinus_longaeva.htm

http://www.blueplanetbiomes.org/bristlecone_pine.htm

http://www.tssphoto.com/potd/pd17/pd090798.html

http://www.tomgidwitz.com/main/id164.htm